Hemp



Na agitada cidade do Rio de Janeiro, um homem se mantém alheio ao corre-corre da vida urbana. Em apenas um dia, o documentarista Cid César acompanhou a insólita rotina deste homem: Guilherme de Souza, o Hemp. Morando numa casa sem energia elétrica, onde bebe água da fonte, colhe vegetais em sua horta e usa o fogão a lenha para cozinhá-los, ele dedica a maior parte de seu tempo à pintura de quadros geralmente, usando materiais reciclados como tela. Adepto de uma religião hindu, Hemp costuma fumar durante suas orações, três vezes ao dia e corrige: eu não fumo, eu faço cerimônia.
É que, para ele, nada é por acaso, inclusive a própria escolha por esse estilo de vida. Hemp decidiu viver de forma simples após permanecer cinco anos nos Estados Unidos, onde se impressionou com o desperdício e o excesso de consumo provocados pela vida moderna. De volta ao Brasil, decidiu que morar num caixote de cimento (como define apartamentos), permanecer duas horas preso num engarrafamento ou passar a vida pagando contas não trariam felicidade. Ex-competidor de surf, acabou por instalar-se nessa casa no Alto da Boa Vista, cedida por um amigo.
O filme mostra que o estilo de vida de Hemp, que antes poderia ser considerado uma excentricidade, hoje se revela algo totalmente sintonizado com expressões como sustentabilidade e preservação do Planeta. Após assistir ao filme, ficará a dúvida: quem está vivendo de forma errada? Você ou Hemp?